terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Cuidado, mulheres!

A Alta Autoridade para a Segurança das Pachachas Sem Macho Residente (AASPSMR) decretou esta tarde o alerta vermelho, o máximo numa escala de quatro (verde, amarelo, laranja e vermelho), para a presença de um predador de grande porte que anda a monte pela capital lusa. Trata-se de um indivíduo de origem angolana, 23 anos, com uma cirurgia cardíaca recente, pele chocolate de leite e com um apetite sexual voraz, com vítimas-alvo do sexo feminino, entre os 30 e os 35 anos, de baixa estatura e elevado perímetro peitoral. Foi visto pela última vez esta tarde, em tronco nu e exibindo uns bicípites bem torneados, tendo a vítima escapado ilesa ao ataque. Reproduzimos aqui o ataque, para prevenir outras mulheres incautas:

- Trabalhas aqui há pouco tempo, né?
- Já há uns aninhos...
- Então começaste novinha. É giro, o teu trabalho, yah! Gostas?
- Do meu trabalho? Sim, claro.
- És casada?
- Não. (vítima cora sem motivo)
- Mas tens alguém na tua vida, né?
- Eeeerrrr.... (vítima cora ainda mais e não consegue responder)
- Tou a ver que não.
- Eeeerrrr... (vítima continua corada e teme estar a ter um AVC)
- Vais tendo, né? Yah, tou a ver.
- Eeeerrrr... (vítima acha que foi drogada ao almoço)
- Onde costumas sair à noite? Vais ao Docks?
- Eeeerrrr... (vítima pensa "Docks??!!! Ninguém vai ao Docks, caralho!!!" mas continua a vocalizar como se fosse um surdo-mudo com Alzheimer)
- Vá, isso é informação a mais, eu sei yah. Mas dá-me o teu mail para eu te adicionar no facebook e combinarmos uma saída aí.
- Eeeeerrr.... (vítima cora, transpira e pede para aparecer uma bala perdida a voar em direcção à sua testa)
- Não queres dar, mas eu vou saber. Já fiz este exame antes, o teu nome vem no relatório, é só procurar-te. Para além de que já sei onde trabalhas, se te quiser ver ao vivo outra vez, yah.
- Eeeerrr.... (vítima levanta-se, sai da sala e pede a outra pessoa para ajudar o individuo a sair)

A vítima recebeu apoio psicológico, no gabinete de apoio à vítima da AASPSMR, após apresentar sinais severos de trauma, com ideações homicidas direccionadas à senhora da perfumaria que lhe vendeu o creme anti-rugas e discurso incoerente com frases dispersas: "pilas pretas gigantes a cuspirem-me em cima", "deve ser alguma coisa no meu cheiro... falta de foda deita cheiro?" e "não sei se ele falava comigo ou com as minhas mamas, mas olhava para elas como se elas lhe respondessem e eu não" (sic).

13 comentários:

  1. Dá-me o teu mail para te adicionar no facebook e combinarmos uma saída aí...
    Ahhh... Espera. Não tenho facebook... :)

    ResponderEliminar
  2. Eeeerrr? Foda-se, isso está mesmo mau.

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinal de neurónios em estado de choque com a ousadia alheia.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Mas é que só faltou mesmo chamar-me dama! :)

      Eliminar
  4. Se só te olhava para as mamas, passas bem sem isso! Lava as vistas e fica-te por aí...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para além de fazer o meu género, pelo nível da conversa e independentemente do sítio para onde olhava, "onde se ganha o pão não se come carne" é um lema de vida. :)

      Eliminar
    2. Ora aí está um lema de vida que eu nunca fui capaz de quebrar (também o sigo) e que hoje por hoje dou graças aos santinhos todos por conseguir manter a gaita dentro das calças em alturas que se calhar no momento apetecia mesmo era tirá-la. Keep up :)

      Eliminar
  5. Imagina um país cheio de espécimes assim...

    ResponderEliminar