segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Qualquer semelhança entre o texto seguinte e a apresentação de famílias desgraças em programas televisivos de remodelações de casas é propositada.

Olá, o meu nome é Snail. Sou uma família em nome individual e a única fonte de rendimento do meu agregado familiar sou eu. Por este motivo, cheguei a partilhar casa e despesas com uma indígena angolana, que falava com Deus e peidava-se a toda a hora sem pudor, a maior parte das vezes em simultâneo. Algumas vezes ainda a vi comer, peidar-se e falar com Deus. Passados dois anos de vida em comum, a minha indígena decidiu deixar-me, assim sem mais nem menos, argumentado que eu tinha hábitos de vida desadequados. Decidiu emigrar. Na altura não entendi, hoje vejo que foi fruto do choque e do desespero, mas iniciei um romance tórrido com um individuo do mesmo padrão cromático que a minha companheira de casa algumas semanas antes da sua anunciada partida. Não se peidava, não falava com Deus, não o vi a comer muitas vezes, mas usava sapatos feitos de pele de animais exóticos e cantava kizomba ao meu ouvido enquanto me comia por trás. Confusa, exausta e desesperada, mandei o indivíduo embora, deixei a amiga a empacotar coisas na casa antiga e mudei-me sozinha para uma nova casa. Entretanto, as amigas de infância começaram a parir desenfreadamente este ano, bem como as namoradas actuais da maioria dos meus ex-relacionamentos, e ninguém tinha tempo para mim, pelo que, em poucos dias, dei por mim absolutamente só. Refugiei-me no exercício físico, com idas frequentes ao ginásio, local onde fiz amizade com uma senhora de 50 anos que fala, fala, fala, não diz nada de jeito, mas diverte-me. Ela gostou tanto de mim que chegou a tentar fazer arranjinho entre mim e o filho solteiro dela, descrito pela própria como um puto giro e muito bem constituído, treinador de futebol de iniciados e muito divertido. Certo dia, não sei que voltas deu ela, mas acabámos por nos encontrar os três: eu, ela e um gajo de corsários brancos, havaianas e t-shirt azul bebé, que me deixou na dúvida se era portador de alguma forma de estrabismo exótico ou se tinha um olho de vidro. Lembrei-me da minha preta e com um 'Ai senhor, acho que estou com cólicas!' dei o mote para a minha fuga estratégica. Decidi ficar uns tempos afastada do ginásio e comecei a dar umas corridas ao fim do dia para manter a forma. Castigo ou não, torci um pé, fiz uma rotura parcial de ligamentos e estou há quase duas semanas em repouso. Aborrecida de estar em casa, sozinha, sem poder treinar, a ruminar no sofá como a mãe de todas as vacas gordas, decidi passar o fim de semana na terrinha e ir visitar as minhas amigas que pariram, obrigando o meu pai a fazer de chauffeur. Pedi-lhe que usasse luvas brancas e vestisse um fato preto para a ocasião. Mandou-me à merda mas levou-me a todo o lado na mesma. Numa das visitas aos meus pequenos sobrinhos, fiquei a admirar os brinquedos da pequena Joquinha. As coisas lá vão mudando, mas as meninas continuam a receber pequenas versões em peluche ou borrachinha cheirosa de utensílios das mulheres crescidas. E é precisamente aqui que venho, mais uma vez, apelar ao vosso bondoso coração. Bem sei que já pedi isto várias vezes, mas pode ser que desta vez vos comova. Não sei se é do vosso conhecimento, mas o meu aniversário está próximo, bem como a época natalícia. E não é só na televisão que as boas acções ficam bem. Na vida real, também. 

Mostro-vos o brinquedo que inspirou tudo isto. 
Espero que vos inspire também. 
Um bem-haja a todos vós.



40 comentários:

  1. Vibrador ou dildo? Que preferes?

    Vamos todos fazer uma vaquinha, malta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Weeeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!!!!!!!! Opa é-me igual! Tem é de ser grande!

      Eliminar
  2. Doida...

    Eu não canto kizomba, mas posso te chamar nomes feios enquanto te como por trás: Cavaco; Sócrates; Passas Coelha; Assunção Crista!!

    Ou então mandar-te a certos sítios: "Vai prá fossa" e cenas do género!!

    Não fosse eu estar em licença selibática e esfoliava-te as costas com os meus pêlos do peito!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A parte final não me pareceu má de todo, porém a lista de nomes feios é demasiado agressiva para alguém em convalescença de uma lesão incapacitante como eu. Sugiro que não percas a vontade de ajudar, junta-te à causa de Pseudo e faz-me mais feliz neste Natal. Podes vir cá tu entregar a prenda, se quiseres.

      Eliminar
    2. Se fosse pessoalmente não deixavas sair e depois eu tenho o jantar em família e tal...

      Eliminar
    3. Se trouxeres a prenda, depois podes sair. Depois.

      Eliminar
  3. Mas ainda estás à espera que to ofereçam??

    ResponderEliminar
  4. sabes que mais, snail? tinha saudades tuas. (e sou bem capaz de te conseguir um arranjinho melhor do que o da cota ;)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh! Querida! :)
      Quanto ao arranjinho, manda foto primeiro, que eu já não me deixo enganar assim.

      Eliminar
    2. ahahahahhahahahahahah!

      (tinha saudades tuas. tinha mesmo :)

      beijocas

      Eliminar
  5. Essas senhoras andam nos ginásios à caça de presa para os filhos. Qual amizade qual quê.

    Eu dou para o peditório.

    R.

    ResponderEliminar
  6. Já te disse que te ofereço um, mas que não é de plástico, nem silicone, mas que te daria ainda maior prazer?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já te disse que desde que descobri a tua traição com a tipa do talão que não quero saber?

      Eliminar
    2. Oh vá lá, não sejas assim... Sabes que assim que me disseres que sim, eu largo tudo e todas!

      Eliminar
    3. Por acaso gosto muito de lamber..

      Eliminar
  7. A T. tem um desses, quase igual, mas é o brinquedo do gato! O dela sou eu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queres dizer que alguém ofereceu um brinquedo de gato à filha da minha amiga?

      Eliminar
  8. Ahahahahahahahahahahah
    Enfrentar um pé torcido com graça é muito melhor!
    As melhoras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu agradeço, mas o objectivo não era ficarem preocupados com a minha saúde, mas sim participar ali do peditório....

      Eliminar
  9. adorei a tua sinceridade... maioria das mulheres diz que nao interessa o tamanho mas na verdadde preferem uma pila grande...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a gente sabe que isso do 'pequeno e trabalhador' foi uma mentira inventada por um homem de pila pequena.

      Eliminar
  10. Acho mesmo que te devias deixar de utensilios a pilhas e arranjar um gajo... Mas é só a minha opinião... Diz lá onde é o peditório que eu participo com 0.01€, não dou mais que isso para coisas que tiram trabalho aos homens...

    As melhoras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso de arranjar um gajo... eu bem vou tentando, mas nunca mais acerto...

      Eliminar
    2. Isso não é questão de certo ou errado...
      É questão de saber utilizar o dito cujo... (e as mãos e a lingua já agora...)
      Quanto a tudo o resto, o amor, o carinho, a cumplicidade, essas coisas todas são sobrevalorizadas pela sociedade...

      Eliminar
  11. Fala com Deus???!!! Apetece-me tanto mandar-te para certo sitio...

    ResponderEliminar
  12. Estou solidária com a tua causa e tenho todo o gosto em participar da vaquinha! Tens é de prometer à malta posts mais assíduos! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vocês também prometem prometem e nada...

      Eliminar
  13. Não conhecia esse tipo de vibrador, é giro. Mas já cheguei atrasado, já passou o natal. ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há uns muito semelhantes, mas sem ser de peluche e sem cara de urso/cão/leão.
      E o Natal é quando o homem quiser, nunca te esqueças disso. (eu sei, piada fácil, mas estavas a pedi-las)

      Eliminar